Teatro Municipal de Santo Amaro Paulo Eiró reabre reformado e modernizado


Teatro Paulo Eiró

Maior plateia entre os teatros municipais, depois do Theatro Municipal de São Paulo, o Paulo Eiró receberá programação cultural variada além de uma programação de concertos e outras apresentações dos corpos artísticos do Theatro Municipal de São Paulo por meio do programa “Municipal na Cidade”

Na próxima segunda-feira, dia 28 de setembro, a partir das 19h, o Teatro Municipal de Santo Amaro Paulo Eiró reabre suas portas totalmente renovado, depois de uma ampla reforma e modernização de suas instalações, com um programa especial: a Orquestra Experimental de Repertório (OER) será regida pelos maestros John Neschling, Carlos Moreno e Martinho Lutero Galati marcando o início da parceria com a Fundação Teatro Municipal, que contará com outras apresentações ao longo deste e do próximo ano.

Inaugurado em 1957, o teatro foi projetado pelo arquiteto Roberto Tibau. Mais tarde, em 1968, uma homenagem ao escritor, poeta e dramaturgo Paulo Eiró foi instalada em frente ao espaço: um painel de autoria do escultor Julio Guerra. Com 18 metros de largura e 5 metros de altura, a obra é um mosaico em cimento armado intitulada “Homenagem às Artes”. Desde 1992, o teatro é tombado pelo Conpresp, que reconheceu seu valor histórico, cultural e arquitetônico. Na época de sua inauguração, o teatro também recebeu uma programação de música erudita com a Orquestra e o Coro Municipais.

Teatro reformado e modernizado

Com investimento de 14,4 milhões da Secretaria Municipal de Cultura, as obras contemplaram a requalificação, ampliação e modernização das instalações do Teatro incluindo aprimoramento e renovação nas áreas de cenotecnica, acústica, elétrica, hidráulica, sistema de cobertura e acessibilidade total. Todos os revestimentos de pisos, paredes e tetos foram substituídos para garantir excelentes condições acústicas da plateia e do palco. No âmbito da acessibilidade, foram realizadas adaptações internas como nos camarins e sanitários e instalação de plataformas de acesso às pessoas com deficiência e mobilidade reduzida para o palco e ao mezanino superior. Na área de proscênio, foi instalado um elevador de palco para a orquestra com sistema de elevação “spiralift”, capacitando o teatro a, inclusive, receber encenações de ópera. Todas as poltronas da plateia foram substituídas e sua distribuição levou em conta as normas atualizadas de segurança e acessibilidade.

A área em frente ao teatro, onde está localizado o painel, recebeu tratamento paisagístico e ganhou uma fonte luminosa interativa com efeito ornamental. Com nova iluminação, o ambiente contará, ainda, com bancos de concreto, transformando-a em área de convivência. O monumento “Homenagem às Artes” que estava instalado originalmente em diagonal foi restaurado e reposicionado garantindo melhor visualização do teatro e aproveitamento da área, valorizando, ainda, o próprio painel que com sua nova disposição física receberá uma iluminação especial que destacará seus elementos artísticos.  O reposicionamento da obra, que pesa 120 toneladas, foi o maior trabalho nessa área já realizado no Brasil.

A capacidade atual é de 467 lugares, sendo 281 localizados no pavimento térreo e outros 166 lugares no balcão superior. Ao todo, 20 lugares são reservados e adaptados para pessoas com deficiência e mobilidade reduzida.

O projeto de reforma e qualificação é assinado pelos arquitetos Wanderley Ariza (SMC), Lais Tescari (SIURB – Secretaria de Infraestrutura Urbana e Obras) e Mariluce Duque (Lazulli Arquitetura). A obra teve gerenciamento e fiscalização do engenheiro Gilberto Serai, da SIURB. A rotação e o restauro do painel “Homenagem às Artes” foram realizadas pelo restaurador Antonio Sarasá.

 

Programação de reabertura e outras novidades

O concerto de reabertura, que marca a parceria com a Fundação Theatro Municipal, permitirá que o espaço seja utilizado em toda a sua capacidade acústica e cenotecnica. O Teatro Municipal de Santo Amaro Paulo Eiró é o único dotado de fosso e orquestra e também a maior plateia entre os teatros municipais de bairro. Ao longo deste e do próximo ano, já estão programados diversos concertos com a OER e o Coral Paulistano Mario de Andrade. Essa programação integra o projeto “Municipal na Cidade” que leva apresentações artísticas dos corpos artísticos do Theatro Municipal de São Paulo para diversos espaços da cidade.

Em outubro, a programação será voltada às artes cênicas e contará com espetáculos para adultos e crianças. “Tirando o pé do chão” da Cia. Nau de Ícaro acontece entre os dias 2 e 11 de outubro e, na sequência, a Cia. Bruta de Arte apresenta o texto contundente da montagem adulta “Máquina de dar certo”. No final do mês, a Cia. Druw apresenta o espetáculo de dança “Poetas da Cor”. Em novembro, a programação musical toma conta com shows da cantora Fafá de Belém, no dia 6, o cantor e compositor paraibano Chico César, que completa 25 anos de carreira musical, apresenta seu mais recente trabalho, lançado neste ano, “Estado de Poesia”. Com repertório que combinará canções inéditas com seus sucessos como “Mama África”, ele sobe ao palco no dia 7. O músico maranhense Zeca Baleiro se apresenta no dia 8.

Serviço: Reabertura do Teatro Municipal de Santo Amaro Paulo Eiró. Dia 28/9, a partir das 19h. Endereço: Av. Adolfo Pinheiro, 765. Santo Amaro. Zona Sul. Telefone: 5546-0449 ou 5686-8440.

 

PROGRAMAÇÃO NOITE DE REABERTURA (entrada franca)
Dia 28/9, às 19h
Orquestra Experimental de Repertório

 

Programa:
FRANCISCO MANUEL DA SILVA
Hino Nacional Brasileiro
Regência – Carlos Moreno

 

ANTONIO CARLOS GOMES
Protofonia da ópera Il Guarany
Regência – John Neschling

 

GEORGE FRIDERIC HÄNDEL
Aleluia, de O Messias
Regência – Martinho Lutero Galati

 

FRANZ VON SUPPÉ
Abertura Cavalleria Leggera
Regência – Carlos Moreno

 

ARTHUR BARBOSA
Fantasia Velhos Carnavais
Regência – Carlos Moreno

 

PROGRAMAÇÃO DE REABERTURA (entrada franca)
 

TEATRO
TIRANDO OS PÉS DO CHÃO
Cia. Cênica Nau de Ícaros. Direção: Erica Rodrigues. Intérpretes-criadores: Álvaro Barcellos, Beatriz Evrard, Celso Reeks, Erica Rodrigues, Letícia Doretto, Marco Vettore.
O espetáculo retrata o encontro atordoante e entorpecente que o amor nos coloca, e mostra diversas histórias que nos tiram os pés do chão. Através de seus gestos, imagens e histórias de personagens que contam e vivenciam as vicissitudes do amor, foram construídos corpos e movimentos de cada intérprete.

De 02 a 11.10 – Sexta e sábado às 21h e domingo às 19h | 60 minutos | 12 anos

 

MÁQUINA DE DAR CERTO
Cia. Bruta de Arte. Direção: Roberto Áudio. Elenco: Ana Lúcia Felippe, Angela Ribeiro, Dagoberto Macedo, Marba Goicochea, Paulo Maeda, Ricardo Socalschi, Teka Romualdo, Tico Dias ou Washington Calegari, Thammy Alonso e Wanderley Salgado. Texto: criação coletiva.

Pessoas trancadas em um cômodo são submetidas a uma série de estímulos sonoros e visuais para a espetacularização do condicionamento humano. Como nos experimentos de Frederic Skinner, psicólogo precursor do chamador “behaviorismo radical”, elas são constantemente testadas, tendo que executar as tarefas e coreografias determinadas por um comando cuja identidade é desconhecida.
De 16 a 18.10 – Sexta e sábado às 21h e domingo às 19h | 70 minutos | 10 anos

 

MORTE E VIDA SEVERINA
Cena Urbana Companhia Teatral. Elenco: Alexandre Menezes, Ana Carolina Raymundo, Christiane Monteiro da Silva, Elisa Telles, Fernando Ghirardelli e outros. Direção: Lígia Cortez. Texto: João Cabral de Melo Neto. Adaptação: grupo Cena Urbana.

 

A saga do imigrante Severino – que sai do sertão da Paraíba rumo à capital Recife – ganha um olhar urbano e contemporâneo em uma encenação que prima pelo texto, ao mesmo tempo, que renova a paisagem proposta pelo autor. Fruto do trabalho desenvolvido por um grupo de 20 jovens atores formados pela Escola Superior de Teatro Célia Helena, de São Paulo, a obra teatral faz um recorte de personalidades sob um olhar coletivo da vida retirante.

Dias 30 e 31.10 – Sexta e sábado às 21h | 90 minutos | 12 anos

 

 

FESTIVAL DE TEATRO PORTUGUÊS
A mostra – que circula pela capital, região metropolitana, litoral e interior do Estado de São Paulo – conta com a participação de representantes de países falantes da língua portuguesa. Em forma de circuitos, as companhias participantes realizam roteiros de apresentações, seguidas de debates.
De 13 a 22.11 – Sexta e sábado às 21h e domingo às 19h |  |

 

DANÇA

POETAS DA COR
Cia Druw.
De 23 a 25.10 – Sexta e sábado às 21h e domingo às 19h |  |

 

MÚSICA
FAFÁ DE BELÉM
Natal de Belém (Pará), Fafá é dona de uma das mais expressivas vendagens de discos no mercado nacional. Presença constante nas paradas de sucesso, a cantora tem uma longa trajetória nas costas. Desde seu primeiro LP, Tamba Tajá, Fafá de Belém seduz a todos e constrói uma carreira de grandes sucessos, como ‘Dentro de mim mora um anjo’ e ‘Filho da Bahia’.

Dia 06.11 – Sexta às 21h | 60 minutos | Livre

 

CHICO CÉSAR
Francisco César Gonçalves, mais conhecido como Chico César, nasceu no interior da Paraíba e mudou-se para a capital pra cursar jornalismo na Universidade Federal do estado. Aos 21 anos veio para São Paulo, onde aperfeiçoou suas técnicas com o violão e multiplicou suas composições. Foi aqui que começou a criar seu público. Hoje, um consagrado artista, Chico volta a cantar um disco com canções inéditas, o álbum ‘Estado de Poesia’.
Dia 07.11 – Sábado às 21h | 60 minutos | Livre

 

ZECA BALEIRO
Zeca Baleiro é maranhense de São Luís do Maranhão. Seu primeiro disco foi ‘Por Onde Andará Stephen Fry?’ e, desde então, lançou oito discos de inéditas, alguns projetos especiais, seis DVDs e um Blu-ray. Compositor talentoso, de muita personalidade, timbre incomum e humor afiado, Zeca criou um projeto especial onde assume o papel de mestre de cerimônias, fazendo a ponte entre tradição e modernidade. Atualmente, investe no mundo virtual, disponibilizando em seu site todos os seus discos para audição na íntegra e músicas e vídeos para download.
Dia 08.11 – Domingo às 19h | 60 minutos | Livre

 

INFANTIL
OPERILDA NA ORQUESTRA AMAZÔNICA
Direção: Regina Galdino. Texto e interpretação: Andréa Bassitt.
Operilda enfrenta o desafio de contar a história da música erudita brasileira para as crianças em um espetáculo musical infantil com encenação colorida e dinâmica. Acompanhada por Livrildo, um livro mágico, e por uma camerata de seis músicos eruditos, a personagem constrói o espetáculo ‘Operilda na Orquestra Amazônica’.
De 03 a 11.10 – Sábado e domingo às 16h | 60 minutos | Livre

 

CIRCO
VAIQUEUVOO
Cia Irmãos Sabatino. Criação e direção: André Sabatino. Elenco: André Sabatino, Gianfranco di sanzo Caraballo, Jerfferson Petit Negrão.
Uma releitura jovem e dinâmica dá aos espectadores, através da linguagem do circo, a oportunidade única de prestigiar os corajosos e habilidosos aviadores da década de 30 em ação. Grandes herois modernos que, com sua ousadia e paixão pelo vôo, dedicaram suas vidas às iniciativas pioneiras na aviação.
De 27 a 29.11 – Sexta e sábado às 21h e domingo às 19h | 50 minutos | Livre

 


Sobre o autor

Claudê Lopes