Chikungunya pode causar danos ao coração


A maioria das pessoas não sabem que o coração também pode ser afetado através da contaminação do Chikungunya, e os riscos preocupam os médicos da área.
A contaminação da Chikungunya pode causar complicações ao coração. Foram apresentadas aproximadamente 39 mil casos no Brasil, e segundo estudos as pessoas que tiveram a doença precisam ficar atentas aos sintomas como cansaço, dor no peito, palpitação ou até mesmo a falta de ar.
Dra. Caroline é cardiologista e membra da Sociedade Brasileira de cardiologia, ela faz um alerta sobre os sintomas que é revelado através da miocardite, onde o músculo do coração inflama e prejudica a atividade do bombeamento do sangue. Ela ressalta:

“Bom, no caso de febre, dor articular, um cansaço desproporcional, ou não conseguir tomar banho muitas vezes, além de não consegue subir um lance de escada, procurar um medico cardiologista porque pode ter desenvolvido a miocardite.”

Existem dois tipos de miocardite (inflamação do músculo do coração): a infecciosa e não infecciosa, o paciente tem que procurar um especialista para saber qual dos tipos de miocardite foi apresentado nos exames. A Dra Caroline fala sobre a importância do paciente saber sobre o caso: ” A infecciosa é quando o próprio vírus adentra as células caríocas e a não infecciosa é quando a resposta imonologica a esse vírus acomete o coração, ou seja, o nosso próprio sistema imonologico acomete nosso coração. Mas isso não tem como ser diferenciado pelo paciente, isso só vem pela biopsia cardíaca.”
A contaminação através do vírus chikungunya (CHIKV) é feita pela picada de insetos-vetores do gênero Aedes, o período de incubação do vírus é de 4 a 7 dias, e a doença, na maioria dos casos, é auto-limitante. O que muitas pessoas não sabem é que não é possível contrair o vírus da Chikungunya novamente, a pessoa fica imune pelo resto da vida. A cardiologista afirma esta questão:

“Não é possível contrair a doença novamente, pois a partir do primeiro contato uma reação imunológica é ativada conferindo proteção contra a doença”.

Infelizmente ainda não existe nenhum tratamento ou remédio específico para enfrentar o vírus, mas de acordo com a medicina existem sim medidas a serem tomadas, como repouso e reforço na ingestão de líquidos e a Dra Caroline reforça: “No caso do acometimento cardíaco a gente faz o que chamamos de medidas de suporte. Medicações para insuficiência cardíaca”.


Sobre o autor

Rodrigo Oliver